Prostitución y COVID-19: repercusiones en la vida de las trabajadoras sexuales

Autores/as

  • Cindy Carolina Benedetti Costa Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Palabras clave:

COVID-19, género, pandemia, prostitución, violencia

Resumen

Considerada la profesión más antigua del mundo, la prostitución sigue viviendo grandes estigmas, prejuicios y desigualdades, por lo que es necesario un análisis más profundo de su situación. Este artículo tiene como objetivo discutir la realidad de la prostitución, así como experiencias establecidas en este contexto como: inserción en la prostitución, identidad y representación social, familia, salud, relación con el cliente, aspectos personales de la profesión, regulación del profesión y violencia sufrida. El análisis está enfocado en los percances sufridos por prostitutas durante la pandemia del COVID-19. Como metodología, fueron realizadas entrevistas semiestructuradas para la recolección de datos en el barrio Jardim Itatinga, Campinas/San Pablo, Brasil. Luego de categorizar la información reunida, ampliamos la discusión sobre la ejecución del trabajo sexual durante la pandemia a través de boletines, noticias y documentos en línea.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Cindy Carolina Benedetti Costa, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Assistente social, mestranda em serviço social e políticas sociais no Programa de Pós Graduação da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Brasil.

Citas

Barreto, L. C. (2008) Prostituição, gênero e sexualidade: Hierarquias sociais e enfrentamentos no contexto de Belo Horizonte. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

Brasil (2002). Classificação Brasileira de Ocupações.

Cabral, F. e Díaz, M. (1998). Relações de gênero. Em cadernos afetividade e sexualidade na educação: um novo olhar (142-150). Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte e Fundação Odebrecht. Belo Horizonte: Gráfica e Editora Rona Ltda.

Caponi, S. (2020). Covid-19 no Brasil: entre o negacionismo e a razão neoliberal. Estud. av. 34(99).

Cavour, R. C. e Jablonski, B. (2011). Mulheres de família: papéis e identidades da prostituta no contexto familiar [Dissertação mestrado]. Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Diniz, M. I. e Queiroz, F. M. de (2008). A relação entre gênero, sexualidade e prostituição. Divers@s Revista Eletrônica Interdisciplinar, 1(0), 2-16.

Engel, M. (1989). Meretrizes e doutores: Saber médico e Prostituição no Rio de Janeiro (1840 1890). Brasilia: Editora Brasiliense.

Feijó, M. E. V. e Pereira, J. B. (2014). Prostituição e preconceito: uma análise do projeto de lei Gabriela Leite e a violação da dignidade da pessoa humana. Cadernos de Graduação Maceió, 2(1), 39-57.

Ferreira, F. de F. (2004). Vulnerabilidades sociais das mulheres em situação de prostituição [monografia conclusão de Curso]. Campinas: Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

Figueiredo, R. e Peixoto, M. (2010). Profissionais do Sexo e Vulnerabilidade. Boletim do Instituto de Saúde, 12(2), 196-201.

Gabeira, F. (2003). Projeto de Lei nº 98-A. Legislação Federal.

Gois, M. L. de e Oliveira, M. E. de (2013). De dentro de fora e de fora de dentro: Representações sociais da prostituição feminina. Revista Interações, 9(23), 71-87.

Gomes, R. (1994). A análise de dados em pesquisa qualitativa. Em M. C. Minayo (Org.), Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

Guimaraes, K. e Merchan-Hamann, E. (2005). Comercializando fantasias: a representação social da prostituição, dilemas da profissão e a construção da cidadania. Rev. Estud. Fem., 13(3), 525-544.

Helene, D. R. (2015). Preta, pobre e puta: a segregação urbana da prostituição em Campinas – Jardim Itatinga [Tese]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Lagenest, J. P. B. de (1975). Mulheres em leilão: Um estudo da prostituição no Brasil. Petrópolis: Editora Vozes.

Lisboa, T. K. (2014). Violência de gênero, políticas públicas para o seu enfrentamento e o papel do serviço social. Revista Temporalis, 14(27), 33-56.

Nucci, G. de S. (2015). Prostituição, Lenocínio e Tráfico de Pessoas – Aspectos Constitucionais e Penais. Rio de Janeiro: Editora GEN–Grupo Editorial Nacional.

Pátaro, C. S. de O. e Mezzomo, F. A. (2014). Mulheres e relações de gênero: o jornal como fonte e recurso pedagógico. Campo Mourão: Grupo de Pesquisa Cultura e Relações de Poder.

Rodrigues, R. M. (2010). Prostituição e construção de carreira: um estudo sobre o trabalho de prostitutas no centro de Salvador.

Santos, G. D. (2016). Regulamentação da prostituição no Brasil: analisando o problema da prostituição como forma de dominação masculina e a necessidade de garantir direitos às prostitutas. Rio de Janeiro: Relatório PIBIC, PUC.

Serafim, D., Silva, G., Santana, J. L., Guimarães, K., Pittaluga, L. e Domingues, R. C. (2002). Profissionais do sexo: documento referencial para ações de prevenção das DST e da Aids. Brasília: Ministério da Saúde.

Souza, T. M. e Carvalho, N. M. (2018). Violência Contra Mulheres Na Prostituição. VII Simpósio Corpo, Gênero e sexualidade. Universidade Federal Rio Grande–FURG.

Tartuce, W. (1997). Projeto de Lei n° 3436. Legislação Federal.

Triviños, A. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Valverde, E. (2004). Projeto de Lei n° 4.244. Legislação Federal.

Vieira, P. de A. (2014). Modalidades e identidades no cenário da prostituição feminina. Paraíba: Universidade Estadual da Paraíba e Editora Realize.

Wyllys, J. (2012). Projeto de Lei nº 4.211 - Gabriela Leite. Legislação Federal.

Descargas

Publicado

2022-03-23

Cómo citar

Benedetti Costa, C. C. (2022). Prostitución y COVID-19: repercusiones en la vida de las trabajadoras sexuales. Revista Iberoamericana De Ciencia, Tecnología Y Sociedad - CTS, 17(49). Retrieved from http://ojs.revistacts.net/index.php/CTS/article/view/267

Número

Sección

Dossier