La historia de las ciencias con enfoque CTS en la formación continua de profesores de química

Rosângela Rodrigues de Oliveira, Márcia Helena Alvim

Resumen


Este artículo analiza los datos obtenidos durante un taller de formación continua de profesores de química pautado por la perspectiva teórica de la inserción de la historia de las ciencias con un enfoque CTS. Se busca comprender de qué forma una experiencia didáctica centrada en esta propuesta puede contribuir al cambio de concepciones y posturas frente a la educación científica. Se considera que el enfoque histórico, desde la perspectiva de la educación CTS, puede contribuir a la construcción de ambientes promotores de una reflexión crítica sobre la práctica científica, sus demandas y sus impactos socioambientales. Por consiguiente, en el presente estudio discutiremos la propuesta metodológica utilizada, analizando las posibilidades de su implementación a través de la investigación cualitativa del estudio de caso. Los datos analizados se refieren a los cuestionarios aplicados al inicio y al final del taller, las discusiones mantenidas en las clases presenciales y los temas de las unidades didácticas producidas. Las preguntas discursivas de los cuestionarios se analizaron y categorizaron de acuerdo con los presupuestos del análisis textual discursivo. Como resultado de este análisis, podemos percibir la importancia de la inserción de la historia de las ciencias con un enfoque CTS en la formación continua de profesores, como soporte teórico y didáctico a una enseñanza reflexiva de las ciencias.

Palabras clave


formación de profesores; historia de las ciencias; CTS; enseñanza de química

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


ALTARUGIO, M. H. (2002): Este curso não se adapta à minha realidade: os conflitos de um grupo de professores de química em formação continuada, dissertação de mestrado, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo.

ALTARUGIO, M. H. (2009): “O papel do formador no processo reflexivo de professores”, Enseñanza de las Ciencias, vol. extra, pp. 986- 988.

ALVIM, M. H. (2012): “História das Ciências e Ensino de Ciências: potencialidades para uma educação cidadã”, Anais do VII Seminário Ibérico e III Seminário Iberoamericano CTS en la enseñanza de las ciências, Madrid, pp. 1-8.

ALVIM, M. H. e ZANOTELLO, M. (2014): “História das ciências e educação científica em uma perspectiva discursiva: contribuições para a formação cidadã e reflexiva”, Revista Brasileira de História da Ciência, vol. 2, pp. 349-359.

ANGOTTI, J. A. P. e AUTH, M. A. (2001): “Ciência e Tecnologia: Implicações sociais e o papel da educação”, Ciência & Educação, vol. 7, nº 1, pp. 15-27.

AULER, D. e BAZZO, W. A. (2001): “Reflexões para a implementação do movimento CTS no contexto educacional brasileiro”, Ciência & Educação, vol. 7, nº 1, pp. 1-13.

BARRA, E. S. O. (1998): “A realidade do mundo da ciência: um desafio para a história, a filosofia e a educação científica”, Ciência & Educação, vol. 5, nº 1, pp. 15-26.

AULER, D. e DELIZOICOV, D. (2001): “Alfabetização científico-tecnológica para quê?”, Ensino Pesquisa Educ. Ciências, vol. 3, nº 2, pp.122-134.

BOGDAN, R. e BIKLEN, S. (1994): Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos, Porto, Porto Editora.

BRASIL (1999): Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Secretaria de Educação Média e Tecnológica, Brasília.

BRASIL (2001): Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Parte III – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica, Brasília.

BRASIL (2006): Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares para Ensino Médio. Volume 2 – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias, Brasília, MEC.

BRASIL (2014): Lei nº 13.005, 25 de junho.

CRESWELL, J. W. (2010): Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto, Porto Alegre, Artmed/Bookman.

DIÁZ, J. A. A.; ALONSO, A. V.; MAS, M. A. M. e ROMERO, P. A. (2002): “Persistencia de las actitudes y creencias CTS en la profesión docente”, Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, vol. 1, nº 1, pp.1-27.

ESTEBAN, M. P. S. (2010): Pesquisa qualitativa em educação: Fundamentos e tradições, Porto Alegre, Artmed.

FERNÁNDEZ, L. C., GATICA, M. Q. e BLANCAFORT, A. M. (2010): “La importancia de la Historia de la Química en la enseñanza escolar: análisis del pensamiento y elaboración de material didáctico de profesores en formación”, Ciência & Educação, vol. 16, nº 2, pp. 277-291.

FREIRE JR., O. (2002): “Relevância da filosofia e da história das ciências para a formação dos professores de ciências”, em W. J. Silva Filho (ed.): Epistemologia e Ensino de Ciências, Salvador, Ed. Arcádia, pp. 51-92.

GATTI, B. A., BARRETTO, E. S. S. e ANDRÉ, M. E. D. A. (2011): Políticas docentes no Brasil: um estado da arte, Brasília, UNESCO.

GIL-PÉREZ, D. (1993): “Contribución de historia y de la filosofía de las ciencias al desarrollo de un modelo de enseñanza/aprendizaje como investigación”, Enseñanza de las Ciencias, vol. 11, pp. 197-212.

LIMA, A. A. e NÖNEZ, I. B. (2011): “Reflexões acerca da natureza do conhecimento químico: uma investigação na formação inicial de professores de química”, Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, vol. 11, nº 3, pp. 209-229.

LÜCKEMEYER, A. C. A. B. e CASAGRANDE, E. F. (2010): “Uma introdução aos estudos CTS na américa latina com enfoque em tecnologia e ambiente”, Revista Educação & Tecnologia, nº 10, pp. 175-207.

LÜDKE, H. A. (1986): Pesquisa em educação: abordagens qualitativas, São Paulo, Epu.

MALDANER, O. A. (2003): A formação inicial e continuada de professores de Química: Professor/Pesquisador, Ijuí, Unijuí.

MATTEWS, M. (1992): “História, Filosofia e ensino de ciências: a tendência atual de reaproximação”, Science & Education, vol. 1, nº 1, pp. 11-47.

MORAES, R. e GALIAZZI, M. C. (2007): Análise textual discursiva, Ijuí, Ed. Unijuí.

MOURA, B. A. e SILVA, C. C. (2014): “Abordagem multicontextual da história da ciência: uma proposta para o ensino de conteúdos históricos na formação de professores”, Revista Brasileira de História da Ciência, vol. 7, nº 2, pp. 336-348.

NASCIMENTO, V. B. (2004): “A natureza do conhecimento científico e o ensino de Ciências”, em A. M. P. C. Carvalho (org.): Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática, São Paulo, Pioneira Thomson Learning, pp. 35-57.

NEVES, L. S e FARIAS, R. F. (2008): História da Química: um livro-texto para graduação, São Paulo, Átomo.

NIAZ, M. (2007): “Progressive transitions in chemistry teachers’ understanding of nature of science based on historical controversies”, Science & Education, vol. 18, nº 1, pp. 43-65.

NÓVOA, A. (1998): “Relação escola-sociedade: novas respostas para um velho problema”, em R. Sabino (org.): Formação de Professores, São Paulo, Editora Unesp, pp. 19-40.

OKI, M. C. M. e MORADILLO, E. F. (2008): “O ensino de história da química: contribuindo para a compreensão da natureza da ciência”, Ciência & Educação, vol. 14, nº 1, pp. 67-88.

OLIVEIRA, R. R. (2018): A história das ciências no ensino de química: implicações para uma abordagem CTS na formação continuada de professores, dissertação mestrado em ensino e história das ciências e da matemática, Universidade Federal do ABC, Santo André.

OLIVER, G. S. (2010): “História das ciências e das tecnologias e o campo de Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS)”, Revista Contemporâneos, vol. 10, pp. 1-24.

PEDUZZI, L. O. Q. (2001): “Sobre a utilização didática da história da ciência”, em M. Pietrocola (org.): Ensino de física: conteúdo e epistemologia numa concepção integradora, Florianópolis, Ed. da UFSC, pp. 151-170.

PRAIA, J. F., CACHAPUZ, A. F. C. e GIL-PÉREZ, D. (2002): “Problema, teoria e observação em ciência: para uma reorientação epistemológica da educação em ciência”, Ciência & Educação, vol. 8, nº 1, pp. 127-145.

SANTOS, M. E. V. M. (2005) : “Cidadania, conhecimento, ciência e educação CTS. Rumo a "novas' dimensões epistemológicas”, Revista Iberoamericana de Ciencia, Tecnología y Sociedad —CTS, vol. 2, nº 6, pp. 137-157.

SANTOS, M. E. V. M. (2009) : “Ciência como cultura - paradigmas e implicações epistemológicas na educação científica escolar”, Química nova, vol. 32, nº 2, pp. 530-537.

SANTOS, W. L. P. e SCHNETZLER, R. P. (2003): Educação em Química: Compromisso com a cidadania, Ijuí, Unijuí.

SANTOS, W. L. P. e PORTO, P. A. (2013): “A pesquisa em ensino de química como área estratégica para o desenvolvimento da química”, Química Nova, vol. 36, nº 10, pp. 1570-1576.

SILVA, K. A. P. (2008): Professores com formação stricto sensu e o desenvolvimento da pesquisa na educação básica da rede pública de Goiânia: realidade, entraves e possibilidades, tese (doutorado em educação), Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

SOLBES, J. M. (2013): “Contribución de las cuestiones sociocientificas al desarrollo del pensamento crítico (I): Introducción”, Revista Eureka sobre Enseñanza y Divulgación de las Ciencias, vol. 10, nº 1, pp. 1-10.

SPILLANE, N. K. (2013): “What’s Copenhagen got to do with Chemistry class? Using a Play to Teach the History and Practice of Science”, Journal of Chemical Education, vol. 90, pp. 219-223.


Enlaces de Referencia

  • Por el momento, no existen enlaces de referencia


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Avda. Pueyrredón 538, 2º cuerpo, 2º piso C - C1032ABS -  Ciudad de Buenos Aires, República Argentina

Correo electrónico: revistacts@gmail.com

Sitio web: http://www.revistacts.net

Facebook: Revista Iberoamericana CTS - Twitter: @RevistaCTS