Caracterização da produção acadêmica latino-americana sobre educação CTS e temáticas socioambientais nas Jornadas ESOCITE

Autores/as

  • Tatiana Galieta Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Irlan von Linsingen Universidade Federal de Santa Catarina

Palabras clave:

CTS latino-americano, educação CTS, temáticas socioambientais, PLACTS, Jornadas ESOCITE

Resumen

O Pensamento Latino-americano em Ciência, Tecnologia e Sociedade (PLACTS) surge na década de 1960 como um movimento cujo foco estava nas políticas sobre ciência e tecnologia, com forte engajamento ativista. A partir dos anos 1980, passa a constituir um campo de pesquisa com diversas áreas disciplinares e objetos de estudo. O campo CTS consolida através da realização de eventos e da publicação de revistas especializadas. Neste artigo apresentamos uma investigação que teve como objetivo mapear e caracterizar pesquisas acadêmicas sobre educação e ambiente apresentadas no maior evento latino-americano, as Jornadas ESOCITE. Os temas mais abordados foram formação de professores e engenheiros, gestão ambiental e sustentabilidade. Os trabalhos de interface educação/ambiente são de autoria de brasileiros e argentinos. Destacam-se pesquisas empíricas que analisam textos de diferentes naturezas a partir de referenciais teóricos da Educação Ambiental e da Educação CTS. Há prevalência de temáticas socioambientais de abrangência local. Sugere-se a realização de futuros estudos que entrevistem dirigentes da associação, bem como os organizadores do evento, de modo que a história da ESOCITE seja documentada e aprofundada.

Biografía del autor/a

Tatiana Galieta, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professora associada da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Bolsista pósdoutorado Sênior do CNPq.

Irlan von Linsingen, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora titular da Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil.

Citas

Abreu, T. B., Fernandes, J. P. e Martins, I. (2013). Levantamento Sobre a Produção CTS no Brasil no Período de 1980-2008 no Campo de Ensino de Ciências. Alexandria - Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 6(2), 3-32.

Alves-Mazzotti, A. J. (1998). O planejamento de pesquisas qualitativas. Em A. J. Alves-Mazzotti e F. Gewandsznadjer (Eds.), O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira.

Amorim, A. C. R. (1997). O ensino de biologia e as relações entre ciência/tecnologia/sociedade: o que dizem os professores e o currículo do ensino médio? Anais do VI Encontro Perspectivas do Ensino de Biologia, São Paulo, 74-77.

Araújo, R. F. (2009). Os grupos de pesquisa em Ciência, Tecnologia e Sociedade no Brasil. Revista Brasileira de Ciência, Tecnologia e Sociedade, 1(1), 81-97.

Arellano, A. e Kreimer, P. (2009). Introducción general. Em A. A. Hernández e P. Kreimer (Eds.), Estudio social de la ciencia y la tecnología desde América Latina (3-11). Bogota: Siglo del Hombre.

Auler, D. e Bazzo, W. A. (2001). Reflexões para a implementação do movimento CTS no contexto educacional brasileiro. Ciência & Educação, 7(1), 1-13.

Auler, D. e Delizoicov, D. (2001). Alfabetização científico-tecnológica para quê? Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 3(1), 105-115.

Bazzo, W. A. (1998). Ciência, tecnologia e sociedade e o contexto da educação tecnológica. Florianópolis: Editora da UFSC.

Casas, R. e Pérez-Bustos, T. C. (2019). Introducción. Em R. Casas e T. C. Pérez-Bustos (Eds.), Ciencia, tecnología y sociedad en América Latina: la mirada de las nuevas generaciones (9-17). Buenos Aires: Asociación Latinoamericana de Estudios Sociales de la Ciencia y la Tecnologías-ESOCITE.

Chrispino, A., Lima, L. S. de, Albuquerque, M. B. de, Freitas, A. C. C. de e Silva, M. A. F. B. da (2013). A área CTS no Brasil vista como rede social: onde aprendemos? Ciência & Educação, 19(2), 455-479.

Dagnino, R. (2009). A construção do Espaço Ibero-americano do conhecimento, os estudos sobre ciência, tecnologia e sociedade e a política científica e tecnológica. Revista Iberoamericana de Ciencia, Tecnología y Sociedad —CTS, 12(4), 93-114.

Dagnino, R. (2015). O que é o PLACTS (Pensamento Latino-americano em Ciência, Tecnologia e Sociedade)? Ângulo, 140, 47-61.

Dagnino, R., Thomas, H. E e Davyt, A. (1996). El pensamento en ciencia, tecnología y sociedade en Latinoamérica: una interpretación política de su trayectoria. REDES, III(7), 13-51.

Dagnino, R., Thomas, H. e Gomes, E. (1998). Elementos para un ‘estado del arte’ de los estudios en Ciencia, Tecnología y Sociedad en América Latina. REDES, V(11), 231-255.

Esocite (2020). Asociación Latinoamericana de Estudios Sociales de la Ciencia y la Tecnología. Disponível em: https://www.esocite.la/.

Ferrando, K. C., Páez, O. H. e Forno, J. E. (2019). Formación en ingeniería y sociedad en la Universidad Tecnológica Nacional. I Encontro Latino-Americano de Engenharia e Sociedade, São Paulo, 1-8.

Flores-Zúñiga, J. A., Calvo-Solano, O. D., Camacho, D. C. e Cano, W. (2015). Los estudios sociales de la ciencia y la tecnología en latinoamérica: Modos de producción, redes de investigación, formación e incorporación de recursos. XXX Congreso Latinoamericano de Sociología – ALAS, Costa Rica, 1-11.

Freitas, L. M. e Ghedin, E. (2015). Pesquisas sobre estado da arte em CTS: análise comparativa com a produção em periódicos nacionais. Alexandria - Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 8(3), 3-25.

Galieta, T. (2020). Temáticas socioambientais em pesquisas acadêmicas latino-americanas: diálogos entre Estudos CTS e Educação Científica e Tecnológica. Relatório técnico-científico pesquisa pós-doutorado sênior CNPq, 104. Florianópolis: UFSC.

Gatti, B. A. (2004). Estudos quantitativos em educação. Educação e Pesquisa, 30(1), 11-30.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Kreimer, P. e Thomas, H. (2004). Un poco de reflexibilidad o ¿de dónde venimos? Estudios sociales de la ciencia y la tecnología en América Latina. Em P. Kreimer, H. Thomas, P. Rossini e A. Laluof (Eds.), Producción y uso social de conocimientos: Estudios de sociología de la ciencia y la tecnología en América Latina (9-89). Buenos Aires: Universidad Nacional de Quilmes.

Kreimer, P., Vessuri, H., Velho, L. e Arellano, A. (2014). Introducción. Em P. Kreimer, H. Vessuri, L. Velho e A. Arellano (Eds.), El estudio social de la ciencia y la tecnología en América Latina: miradas, logros y desafíos (7-27). Mexico: Siglo XXI.

López Cerezo, J. A. (1998). Ciencia, Tecnología y Sociedad: el estado de la cuestión en Europa y Estados Unidos. Revista Iberoamericana de Educación, 18, 41-68.

Loureiro, C. F. B. (2004). Trajetória e fundamentos da educação ambiental. São Paulo: Cortez.

Lüdke, M. e André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Melo, T. B., Pontes, F. C. Da C. de., Albuquerque, M. B. de., Silva, M. A. F. B. e Chrispino, A. (2016). Os temas de pesquisa que orbitam o enfoque CTS: uma análise de rede sobre a produção acadêmica brasileira em ensino. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 16(3), 587-606.

Núñez Jover, J. (1999). La ciencia y la tecnología como procesos sociales. Lo que la educación científica no debería olvidar. Madrid: Organización de Estados Iberoamericanos (OEI).

Pereira, G. e Ortigão, M. I. R. (2016). Pesquisa quantitativa em Educação: algumas considerações. Periferia – Educação, Cultura & Comunicação, 8(1), 66-79.

Rodríguez Acevedo, G. D. (1998). Ciencia, Tecnología y Sociedad: una mirada desde la Educación en Tecnología. Revista Iberoamericana de Educación, 18, 107-143.

Santos, W. L. P. dos (2011). Significados da educação científica com enfoque CTS. Em W. L. P. dos Santos e D. Auler (Eds.), CTS e Educação Científica: desafios, tendências e resultados de pesquisa (21-47). Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Silva, P. B. C. da. (2015). Ciência, tecnologia e sociedade na América Latina nas décadas de 60 e 70: análise de obras do período (Dissertação de mestrado em ciência, tecnologia e educação). Rio de Janeiro: CEFET.

Sutz, J. (1998). Ciencia, Tecnología y Sociedad: argumentos y elementos para una innovación curricular. Revista Iberoamericana de Educación, 18, 149-169.

Thomas, H. (2010). Los estudios sociales de la tecnología en América Latina. Íconos. Revista de Ciencias Sociales, 37, 35-53.

Vaccarezza, L. S. (1998). Ciencia, Tecnología y Sociedad: el estado de la cuestión en América Latina. Revista Iberoamericana de Educación, 18, 42-64.

Vaccarezza, L. S. (2004). El campo CTS en América Latina y el uso social de su producción. Revista Iberoamericana de Ciencia, Tecnología y Sociedad —CTS, 2(1), 211-218.

Von Linsingen, I. (2007). Perspectiva educacional CTS: aspectos de um campo em consolidação na América Latina. Ciência & Ensino, 1(especial), 1-19.

Publicado

2021-07-28

Número

Sección

Artículos