Culturas de participación en las prácticas educativas brasileñas basadas en la educación CTS

Suiane Ewerling da Rosa, Roseline Beatriz Strieder

Resumen


La búsqueda de una sociedad participativa en temas sociales de ciencia y tecnología es uno de los objetivos y desafíos de la educación con enfoque CTS (ciencia, tecnología y sociedad). Sin embargo, diferentes estudios han mostrado escasa profundidad en el establecimiento de consensos para el desarrollo de procesos democráticos y participativos en el contexto socioeducativo, especialmente en la escuela. A través de un análisis de la producción académica en el área de la enseñanza de las ciencias, este artículo se propone caracterizar cómo se ha trabajado la participación en las prácticas educativas brasileñas. La investigación se basa en conceptos de Paulo Freire y el Pensamiento Latinoamericano en Ciencia, Tecnología y Sociedad (PLACTS), y se apoya en el principio rector que guía dichos conceptos: la constitución de una cultura de la participación. El corpus de análisis está integrado por las prácticas educativas brasileñas y el recurso teórico y metodológico utilizado fue el análisis textual de los discursos que tienen lugar en diferentes culturas de participación. Destacamos que existen culturas cercanas a los procesos tecnocráticos de toma de decisiones y otras que posibilitan ampliar los mecanismos de participación, así como señalamos limitaciones y posibilidades para alcanzar procesos democráticos participativos en las acciones educativas con enfoque CTS y repensar las propuestas curriculares.

Palabras clave


CTS; culturas de participación; Paulo Freire; PLACTS; prácticas educativas

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Aikenhead, G. S. (2003). STS Education: A Rose by Any Other Name. Em R. Cross (Coord): A vision for science education: responding to the work of Peter Fensham (59-75). Londres: Routledge Falmer.

Auler, D. (2002). Interações entre Ciência-Tecnologia-Sociedade no Contexto da Formação de Professores de Ciências (Tese de doutorado em educação). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.

Auler, D. (2011). Novos caminhos para a educação CTS: ampliando a participação. Em W. L. P. Santos e D. Auler (Coord): CTS e educação científica: desafios, tendências e resultados de pesquisas (73-98). Brasília: Universidade de Brasília.

Auler, D. (2018). Cuidado! Um cavalo viciado tende a voltar para o mesmo lugar. Curitiba: Appris.

Auler, D. e Delizoicov, D. (2015). Investigação de temas CTS no contexto do pensamento latino-americano. Revista Linhas Críticas, 21(45), 275-296.

Bilañski, G. (2020). Clonación de mamíferos: regulación y participación pública en Argentina y Reino Unido. Revista Iberoamericana de Ciencia, Tecnología y Sociedad —CTS, 15(44), 43-70.

Callon, M. (1998). Des différentes formes de démocratie technique. Responsabilité & Environnement, 9(1), 63-73.

Cassab, M. (2008). A Democracia como balizadora do Ensino de Ciências na Escola: como discutir este desafio? Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 8(2), 1-17.

Centro de Gestão e Estudos Estratégicos – CGEE (2019). Percepção pública da C&T no Brasil – 2019. Resumo executivo. Brasília.

Cuevas Badallo, A. e Urueña López, S. (2019). Públicos y actores en la democratización de la actividad científica. Revista Iberoamericana de Ciencia, Tecnología y Sociedad —CTS, 14(42), 9-29.

Dagnino, R. P. (2008). Neutralidade da ciência e determinismo tecnológico: um debate sobre a tecnociência. Campinas: Unicamp.

Delgado, A. (2010). ¿Democratizar la ciencia? Diálogo, reflexividad y apertura. Revista Iberoamericana de Ciencia, Tecnología y Sociedad —CTS, 5(14), 1-14.

Dias, R. de B. (2009). A trajetória da política cientifica e tecnológica brasileira: um olhar a partir da análise de política (Tese de doutorado). Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

Freire, P. (1981). Ação Cultural para a Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2005). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2016). Conscientização. São Paulo: Cortez.

Freire, P. (2018). Pedagogia da Esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

García, M. G., Cerezo, J. A. L. e López, J. L. L. (1996). Ciencia, tecnologia y sociedad: una introducción al estudio social de la Ciencia y la tecnología. Madrid: Tecnos.

Guivant, J. S. e Macnaghten, P. (2011). O mito do consenso: uma perspectiva comparativa sobre governança tecnológica. Ambiente & Sociedade, 14(2), 89-104.

Jasanoff, S. (2019). Tecnologias da humildade: participação cidadã na governança da ciência. Revista Sociedade e Estado, 34(2), 565 – 589.

Lopez-Cerezo, J. A. (2007). Democracia en la frontera. Revista Iberoamericana de Ciencia, Tecnología y Sociedad —CTS, 3(8), 127–142.

Moraes e Galiazzi (2016). Análise textual discursiva. Ijuí: Editora Unijuí.

Praia, J., Gil Perez, D. e Vilches, A. (2007). O papel da natureza da ciência na educação para a cidadania. Ciência & Educação, 13(2), 141-156.

Rosa, S. E. (2014). Não Neutralidade da Ciência-Tecnologia: problematizando silenciamentos em práticas educativas relacionadas a CTS (Dissertação de mestrado em educação). Universidade Federal de Santa Maria.

Rosa, S. E. (2019). Educação CTS: contribuições para a constituição de culturas de participação, tese de doutorado em educação em ciências. Brasilia: Universidade de Brasília.

Rosa, S. E. e Araújo, W. (2017). Processos formativos no contexto brasileiro: uma articulação dos pressupostos de Freire e a educação CTS. XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2017. Rio de Janeiro: ABRAPEC.

Rosa, S. E. e Auler, D. (2016). Não Neutralidade da Ciência-Tecnologia: Problematizando Silenciamentos em Práticas Educativas Relacionadas à CTS. Alexandria - Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 9(2), 202-231.

Roso, C. (2017). Transformações na educação CTS: uma proposta a partir do conceito de tecnologia social, tese de doutorado em educação científica e tecnológica. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.

Roso, C., Auler, D. e Delizoicov, D. (2020). Democratização em processos decisórios sobre CT: o papel do técnico. Alexandria - Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 13(1), 225-249.

Samagaia, R (2016). Comunicação, divulgação e educação científicas: Uma análise em função dos modelos teóricos e pedagógicos (Tese de doutorado). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.

Santos, R. A. (2016). Busca de uma Participação Social para além da Avaliação de Impactos na Ciência-Tecnologia na Sociedade: sinalizações de práticas educativas. (Tese de doutorado). Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria.

Santos, W. L. P. e Mortimer, E. F. (2001). Tomada de Decisão para Ação Social Responsável no Ensino de Ciências. Ciência & Educação, 7(1), 95-111.

Santos, W. L. P. e Mortimer, E. F. (2002). Uma Análise de Pressupostos Teóricos da Abordagem CT-S (Ciência - Tecnologia - Sociedade) no Contexto da Educação Brasileira. Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, 2(2), 1–23.

Strieder, R. (2012). Abordagem CTS na Educação Científica no Brasil: Sentidos e Perspectivas, tese de doutorado em ensino de ciências. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Strieder, R. e Kawamura, M. (2014). Perspectivas de participação social no âmbito da educação CTS. Uni-pluri/versidad, 14(2), 101–110.

Strieder, R. B., Silva, K. M. A., Sobrinho, M. F. e Santos, W. L. P. (2016). A educação CTS possui respaldo em documentos oficiais brasileiros? ACTIO, 1(1) 87-107.

Von Linsingen, I. (2007). Perspectiva educacional CTS: aspectos de um campo em consolidação na América Latina. Ciência & Ensino, 1(especial), 1-19.


Enlaces de Referencia

  • Por el momento, no existen enlaces de referencia


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Avda. Pueyrredón 538, 2º cuerpo, 2º piso C - C1032ABS -  Ciudad de Buenos Aires, República Argentina

Correo electrónico: revistacts@gmail.com

Sitio web: http://www.revistacts.net

Facebook: Revista Iberoamericana CTS - Twitter: @RevistaCTS